03 July 2006

Vejo no meu corpo uma espécie de transparência, um vácuo sem-cheio de algo que não sei bem o que é.
Sinto um terror quando essa substância se perde em algo que tambem não sei explicar.
Pode ser feito de algodão ou de enxofre, isso que me faz sentir triste ou feliz ou tudo junto ao mesmo tempo.
As variações são maiores que os laços e os nós das árvores.

Eu sou uma coisa intricada, misturada, confusa. Mas não sou forte como machado que carrego nas costas. Se bem que nem mesmo usar um machado, ele deve saber melhor que eu.
Sirvo de ignorante para me entender melhor.

É preciso dizer, escrever de alguma forma, se não, folha branca, zero. Deixei-me levar pelo arrastão de pensamentos, pela grafia torta, pelo música.

Nós, eu e você somos o mundo. Mundo de tantas coisas, de repente o universo somos todos nós.

Alguém já conseguiu juntar tudo que sabe de si?
Alguém já viu todo o universo?

Somos nós o mínimo e o máximo. É uma loucura isso tudo, não me dê ouvidos, mas por favor não ignore o pensamento. O Pensamento não segue uma linha reta, pelo menos o meu. Ele percorre algumas pistas dos mais diferentes trajetos.

Isso tudo nunca estaria numa peça publicitária, tudo bem, cartesianos de plantão.

Foda-se.

Se querem sentido vão se olhar no espelho.

Tem coisa mais comum que a própria cara? Quem não conhece a própria cara tão bem quanto qualquer um.

Sinta-se a vontade , pois agora tudo vai começar a fazer mais sentido para você.

E eu não acabarei esta noite em seus braços.

É o fim.

1 comment:

Cananéia ::: said...

Ignore o pensamento.Só existe a informação.

Toda forma de visão...que se tem do universo.è sua.E somente sua.Até onde o que acredito realmente existe vai depender de tudo aquilo no qual me empenho em fazer existir...

Ou era só um pensamento...(?)

Temos todos os portais do saber,ou do pensar,abertos para que possamos usufrui-lo...e ainda assim não o fazemos...educação inibitória que nos mantém a´nau e a deriva dentro de um sistema que só é nosso por que o aceitamos...

A mente é tão mais vasta...
E o corpo ainda padece.